sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Sanfoneiro cego estuda para Enem com sonho de cursar música no RN

Superar a falta da visão faz parte do dia a dia de José Ivanaldo da Silva desde os três meses de vida. Hoje, com 38 anos, o Exame Nacional do Ensino Médio é encarado como mais um desafio. Mesmo sem ver, o sanfoneiro não poupa esforços para manter a rotina diária de estudar pelo menos seis horas. "Vou à luta", é o que ele diz reconhecendo a limitação para alcançar o objetivo de cursar música em uma universidade pública. Completamente cego, ele resume o que teve de enfrentar durante a vida inteira: "nunca vi nada".
Na prova do Enem, que acontece neste sábado (26) e domingo (27), Ivanaldo contará com a ajuda de um ledor para responder a avaliação oralmente. Já nos estudos em casa, o apoio vem do computador. "A tecnologia veio para ajudar", afirma o sanfoneiro. Ele assiste aulas online para complementar o ensino do cursinho. Para se preparar para o Enem, Ivanaldo também participa de um grupo de estudos formado por outros quatro deficientes visuais. As reuniões acontecem na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) todas as semanas.

Mesmo com as opções de estudo, o músico sabe das limitações. "Tem momentos que é difícil. Na sala de aula, por exemplo, perco muito conteúdo que é escrito no quadro e o professor não comenta. É como estar atrás de uma parede. Você acredita no que lhe dizem, mas não assimila", explica. Outra queixa de Ivanaldo é referente aos gráficos e formas geométricas, cuja deficiência o impede de ver.

Natural de Angicos, na região Central potiguar, Ivanaldo mora há sete anos em Natal, para onde se mudou pela oportunidade de participar de um curso de informática. Atualmente se vira sozinho em uma casa no bairro de Felipe Camarão, na zona Oeste da capital. Além dos estudos e dos afazeres domésticos, ele faz parte do projeto Esperança Viva, da própria UFRN, onde toca flauta doce.

Chegar ao curso de música, segundo ele, seria um sonho - ainda mais para quem entrou em uma sala de aula pela primeira vez aos 26 anos de idade. "Era uma aula normal, mas eu já estudava braille. Mesmo assim, era difícil passar as coisas para mim", conta. Além de sanfona e flauta doce, Ivanaldo também sabe tocar violão.

Nenhum comentário: