quarta-feira, 25 de abril de 2018

"TUDO INDICA QUE SE TRATA DA ADOLESCENTE YASMIN LORENA", DIZ DELEGADA


A delegada Dulcinéia Costa, titular da Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), não confirmou que corpo encontrado em uma casa em construção na tarde desta terça-feira (24), no bairro da Redinha, Zona Norte de Natal, seja de Yasmin Lorena de Araújo, mas não escondeu que há "fortes indícios" de que seja a adolescente de 12 anos,
desaparecida desde 28 de março. "Não temos como afirmar com certeza, mas pelas vestes e outros elementos, tudo indica que se trate da adolescente Yasmin Lorena", afirmou ela.

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte concedeu coletiva de imprensa no início da noite desta terça-feira (24) para falar sobre o encontro do corpo, enterrado em uma casa em construção, a cerca de 200 metros da casa onde mora a adolescente desaparecida. Foi preciso o uso de cães farejadores para identificar com exatidão onde o cadáver estava enterrado.
De acordo com a delegada geral, Adriana Shirley, as investigações ainda estão em andamento. O corpo resgatado já está no Instituto Técnico-científico de Perícia do RN (Itep-RN) para exames mais detalhados que ajudem a identificar, de fato, a identidade da vítima.

Suspeito é procurado

Segundo a Polícia Civil, um homem que trabalhava na obra foi detido e estaria sendo ouvido por uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ele deve ser autuado por ocultação de cadáver.
Contudo, ele não seria o responsável pelo homicídio em si. A delegada geral Adriana Shirley afirma que a polícia procura pelo principal suspeito do crime. "Temos suspeitos da autoria do crime de homicídio que está sendo investigado", comentou.
Entretanto, a identidade do suposto autor do crime não foi divulgada, assim como a do suspeito que já está detido. Ainda segundo a delegada, este homem já havia sido ouvido três vezes pelos investigadores, exatamente por trabalhar próximo ao local onde a adolescente desapareceu.

Buscas

A casa onde o corpo foi achado está inacabada. Fica no bairro da Redinha, na Rua José Acácio de Macedo (antida Rua Número Dez), a mesma onde a família de Yasmin mora. Policiais civis e militares, e mais uma equipe de resgate do Corpo de Bombeiros, participaram das buscas, que foi iniciada ainda pela manhã. Familiares de Yasmim também acompanharam o trabalho de perto.

O desaparecimento

Yasmin foi vista pela última vez por volta das 13h do dia 28 de março. De acordo com a família, a menina saiu de casa, na Rua José Acácio de Macedo, na comunidade da África, na Redinha, para entregar um dinheiro a uma vizinha a pedido da mãe. A mulher que receberia o dinheiro mora em uma rua próxima, e disse que a menina sequer chegou ao destino. A família então procurou a polícia e fez uma queixa do desaparecimento dela. Desde então, começaram as buscas por Yasmin. FONTE: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/tudo-indica-que-se-trata-da-adolescente-yasmin-lorena-diz-delegada.ghtm

Nenhum comentário: