quarta-feira, 24 de maio de 2017

ABASTECIMENTO DE MACAU COM ÁGUAS DO OCEANO PODE ACONTECER A PARTIR DE FEVEREIRO

Tiago Rebolo
Técnicos da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) trabalham no desenvolvimento de um projeto para implementar em cidades do interior do estado usinas de dessalinização de águas para auxiliar no abastecimento urbano.   Segundo o engenheiro mecânico e coordenador do projeto na Semarh, Franklin de Azevedo, na fase inicial que está sendo estudada atualmente, as águas resultantes do processo de dessalinização devem abastecer até 30% de Macau, município do Polo Costa Branca escolhido para abrigar o projeto piloto.    Franklin explica que a grande vantagem da dessalinização é que a porção da cidade abastecida com essas águas terá, a partir do início das atividades, segurança hídrica por tempo indeterminado.   “São águas provenientes do mar, que é uma fonte inesgotável. Isso significa que, se todas as outras fontes de abastecimento falharem, a dessalinização ficará contínua. Então, é garantia de segurança hídrica para a população abastecida”, comenta o técnico.
Atualmente, o município de Macau é abastecido com águas do rio Piranhas-Açu, do qual a captação acontece em Pendências. Com a seca que já dura cinco anos, entretanto, a retirada de água tem sido cada vez mais difícil, o que motivou os técnicos a estudarem alternativas. Foi aí que surgiu a ideia de instalar a usina de dessalinização.
O coordenador do projeto, Franklin de Azevedo, pontua que o preço do abastecimento com águas dessalinizadas é superior ao do abastecimento por métodos tradicionais. Enquanto o procedimento comum acarreta em custos de, aproximadamente, R$ 3 por metro cúbico de água; na dessalinização, o preço pode chegar a R$ 5 pela mesma quantidade do produto.
Pelo projeto da Semarh, porém, além da garantia de segurança hídrica – imprescindível em períodos de seca, outra variável torna a captação mais viável: o investimento privado. Isso porque, segundo Franklin, a distribuição da água se dará por meio do sistema de licitação de demanda.
O técnico esclarece que, nesta modalidade, a responsabilidade pela implantação da usina ficará a cargo da empresa que oferece o menor custo por metro cúbico de água. Dessa forma, a Caern (ou o próprio município onde a usina estiver instalada) compra a água e repassa para o consumidor. “Iremos estabelecer critérios técnicos que a empresa vencedora deverá atender. Mas ganhará aquela que fornecer a água pelo menor valor”, frisa.
Franklin ressalta ainda que as tecnologias em torno do processo de dessalinização têm avançado nos últimos anos e que a água que sai do processo é “extremamente boa”. “É uma água que sai pronta para o consumo humano. E devido ao avanço da tecnologia, os custos estão diminuindo. Antes, o maior gasto era com energia, mas isso está sendo reduzido com melhor aproveitamento. O valor por metro cúbico tem caído”, aponta.
A Semarh espera que o processo que envolve licitação e instalação da usina de dessalinização seja o mais breve possível e que a população possa consumir as águas do novo sistema já a partir de fevereiro de 2018. “Estamos na fase de estudo conceitual. O Governo do Estado se interessa pela modalidade. E será importante pois o Estado só terá gastos com projetos e estudos de viabilidade, pois todo o restante do investimento será privado”, pontua.
Com relação a possíveis concorrentes no processo, Franklin afirma que há empresas potiguares capacitadas para instalar a usina e operar o sistema. No entanto, boa parte da tecnologia utilizada no processo ainda é importada. “Inclusive, já no projeto, estamos contando com a participação de uma empresa espanhola que tem braço de atividades no Rio Grande do Norte, com o fornecimento de planilhas de custos. Em partes, é uma empresa potiguar”, registra.
INCREMENTO NA CONTA E EXPANSÃO
A instalação da usina de dessalinização ainda está em fase de estudos, mas a Semarh calcula que não haverá grandes impactos no valor pago pelo consumidor na conta de água. De acordo com o técnico Franklin de Azevedo, a estimativa é que haja um incremento de cerca de 10% inicialmente. Aumento que representará, reforça o coordenador do projeto, na garantia de abastecimento por tempo indeterminado, independentemente da estiagem.
Sobre a possibilidade de alcançar outras regiões do estado, o técnico salienta que o projeto em Macau será a primeira experiência. Só depois disso é que será estudada a possibilidade de expansão. “Estamos iniciando o processo. Vamos observar as experiências. Mas um outro município que pode receber é Galinhos”, coloca.
Um fator que pesa na decisão é o local de despejo dos resíduos da dessalinização. O técnico explica que duas águas saem do processo. Uma que passa por um pré-tratamento, com retirada de metais e materiais orgânicos, e outra com a retirada dos sais – esta recomendada para o consumo humano.
A primeira água, por sua vez, pode ser encaminhada para empresas salineiras, que já teriam boa parte do processo de extração do sal antecipada – daí a escolha por Macau para o projeto piloto; o município é polo salineiro no estado. E a outra opção, por fim, é despejar em áreas utilizadas para carcinicultura. fonte: agorarn

Nenhum comentário: