quarta-feira, 26 de abril de 2017

PSICÓLOGA ACABA COM O CHORO DE UMA CRIANÇA COM APENAS UMA PERGUNTA

“Eu não li todos os livros de psicologia infantil, nem fiz nenhum curso de como evitar/interromper/acabar com o chilique de um filho. Mas por conta de uma experiência pessoal relacionada à minha filha de 5 anos, eu quero muito dividir com vocês uma ‘fórmula’ que aprendi recentemente para a gente conseguir mudar o rumo das coisas com os filhos que insistem em fazer drama por qualquer coisa”.
Esta foi a introdução da jornalista Fabiana Santos, consultora de comunicação do BID (Banco Intramericano de Desenvolvimento) e mãe de dois filhos, em um artigo publicado no blog Tudo sobre minha mãe. Na publicação ela explicou que a filha Alice, de cinco anos, vivenciava a fase de alfabetização e por esse motivo enfrentava momentos de ansiedade em relação às primeiras semanas de escola.
“Esse comportamento acabou se desdobrando em casa”, escreveu. “Ela aumentou as situações de fazer drama para qualquer coisa, mesmo as mais simples. Foi então que eu conheci a psicóloga infantil Sally Neuberger”. Segundo ela, a psicóloga lhe explicou que os pais primeiramente devem fazer a criança se sentir respeitada, no sentido de que estão valorizando o que está sentindo. Parte dessa valorização e o fato de que estão sendo incluídas na solução de um problema podem ajudar a desarmar qualquer que seja o argumento.
Logo, independente de qual seja o motivo do choro, seja porque não quer tomar banho, a boneca ou carrinho preferido sumiu ou porque não está indo bem em alguma atividade, a pergunta a seguir, de acordo com a psicóloga, deve ser feita sem julgamento de valor.
Ao questionar a criança, mostre que a resposta será importante para a solução do problema. Relatando sua experiência, a jornalista afirmou que de fato o método funciona. “Agora, todas as vezes faço a pergunta e ela responde, a gente dá um jeito de resolver o problema a partir da percepção dela de onde buscar a solução”, escreveu.

“Um [problema] pequeno é sempre rápido e tranquilo de resolver”, continuou. “Algum que ela considera médio, muito provavelmente será resolvido, mas não na mesma hora, e ela vai entender que há coisas que precisam de certo desdobramento para acontecer. Se um problema for grave – e obviamente que grave na cabeça de uma criança não pode ser algo a ser desprezado mesmo que para a gente pareça bobo – talvez seja preciso mais conversa e atenção para ela entender que há coisas que não saem exatamente como a gente quer”.  FONTE: JORNAL CIÊNCIA

Nenhum comentário: