terça-feira, 31 de janeiro de 2017

ITEP: SAIBA COMO FUNCIONA O PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO HUMANA

O processo de identificação humana pode acontecer através de exames papilocopicos, da odontologia forense e do DNA, sendo possível assim identificar o indivíduo ou cadáver a partir dos confrontos de materiais genéticos.   Num primeiro momento, quando um corpo chega ao Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP) ele é submetido ao exame de necropapiloscopia, onde é possível identificar o cadáver através do confronto de impressões digitais. Contudo, alguns corpos podem chegar sem condições de identificação por meio das papilas dérmicas.
Caso não seja possível realizar a identificação através da necropapiloscopia, o próximo passo é tentar identificar o corpo mediante o confronto de arcada dentária, realizado pela odontologia legal. Neste exame é fundamental a colaboração da família da vítima no fornecimento dos dados de referência sobre seus entes desaparecidos, assim como também é necessário o contato com os dentistas e técnicos de prótese dentária para a obtenção de informações técnicas ou esclarecimento de dúvidas acerca da ficha dentária do paciente.
O último passo para a identificação humana consiste na realização do exame de DNA, que é feito na ausência de elementos para a identificação através dos outros dois exames já citados. O processo de identificação por meio do DNA passa por quatro etapas: extração do material, amplificação, sequenciamento e a confecção do laudo técnico.
Em média, o processo de identificação humana através do exame de DNA pode durar até dez dias, podendo levar ainda mais tempo, de acordo com as condições do corpo e da amostra.
No caso da identificação através da necropapiloscopia e da odontologia legal, com o exame de arcada dentária, o processo é mais célere, com tempo estimado entre um e dois dias. FONTE:AGORARN

Nenhum comentário: