sexta-feira, 4 de novembro de 2016

PENSE DUAS VEZES ANTES DE TOMAR VIAGRA, ALERTA JORNALISTA APÓS TESTE

Em um artigo publicado na página Sexual Health, da NBCNews.com, a jornalista norte-americana Judith Newman, relatou de forma completa um experimento que realizou na própria casa. Sob o título de “Como o Viagra pode atrapalhar seu casamento”, ela contou os efeitos do medicamento quando testado em seu marido John.  “Eu me casei com um homem mais velho, e para nossa sorte, a única parte dele que não funciona direito são os joelhos. Mas desde que comecei a escrever sobre drogas que melhoram a disfunção erétil quis que ele me ajudasse”, escreveu ela.
Newman explicou que o Viagra é uma pílula azul “que permite aos homens mais velhos se comportaram sexualmente como jovens de 18 anos”, logo, ela perguntou ao marido se isso não seria interessante, “jornalisticamente falando”. A princípio ele se mostrou cético e revelou um certo medo de seu órgão não funcionar normalmente após a administração das pílulas. A jornalista então o convenceu de que o Viagra é uma marca líder no mercado e que não relata dependência física como efeito colateral – embora tenha deixado de mencionar as potenciais dores de cabeça e de estômago.
A intenção dela era saber se os fabricantes do Viagra, Cialis e Levitra previram que, embora o homem fique entusiasmado em aumentar sua potência sexual, talvez o mesmo entusiasmo não fosse visto na esposa. O que a princípio pode ser uma situação de ganho mútuo, na verdade pode ter uma série de consequências inesperadas.
“Não me interpretem mal, o Viagra é uma droga milagrosa. No início dos anos 90, quando os pesquisadores testavam um novo medicamento para o coração chamado Sildenafil, descobriram que ele tinha um efeito colateral surpreendente em homens. As drogas que tratam a disfunção erétil (DE) drogas tornaram-se mais do que uma indústria de bilhões de dólares”, escreveu.
Essencialmente, esse tipo de droga funciona para dar ao homem uma ereção. Quando os vasos sanguíneos da região se dilatam, o sangue fui para dentro. Mas há uma enzima que neutraliza essa dilatação e as drogas DE são responsáveis por inibi-la, permitindo que a dilatação ocorra mais facilmente e dure mais tempo. Elas também ajudam a diminuir o tempo de espera entre uma ereção e outra.
Contudo, o Viagra pode causar uma série de mal-entendidos entre os casais. “Há algo sobre as ereções que é extremamente importante para a identidade de um homem”, disse Steven Lamm, um médico internista de Nova York e autor do livro “The Hardness Factor”, em entrevista à jornalista. “E, claro, a maioria dos casais preferiria que o homem fosse capaz de ter uma ereção. Mas há alguns que preferem se ajustar à vida sem sexo. Talvez a mulher realmente não queira mais isso, por uma razão ou outra, e para esses casais, a introdução de uma droga ED pode tirá-los de sincronia”.
Isso, segundo a jornalista, leva a um fator muito complicado: a realidade de que a saúde genital pós-menopausa de uma mulher pode colocá-la fisicamente em desacordo com o parceiro. Conforme as mulheres envelhecem, seus níveis hormonais mudam. A presença de estrogênio é reduzida, muitas vezes, significando menor libido, bem como diminuição da elasticidade e da lubrificação vaginal, logo, o sexo poderia ser doloroso.
Há também as consequências da crença errônea de que o Viagra aumenta o desejo sexual masculino. Na verdade, a testosterona é responsável pela libido. Dessa forma, um homem com pouca ou nenhuma testosterona não terá nenhum desejo de ter relações sexuais, com ou sem a presença do Viagra. De acordo com o professor de urologia, Abraham Morgentaler, de Harvard, “o medicamento não proporciona uma ereção instantânea, precisa haver desejo e intenção para que ele faça seu trabalho”.
Outro problema é que, enquanto a droga encurta o período entre uma ereção e outra, para as mulheres isso pode ser desagradável. Algumas dizem que precisam de 20 ou 30 minutos antes de iniciar uma nova relação com lubrificação suficiente. Há ainda a ideia de que, com o marido vivendo essa nova fase sexual com uso do Viagra, há maiores possibilidades de comprometer o casamento em razão da infidelidade, segundo a jornalista.
“Então, como você pode ter certeza de que esse tipo de droga no casamento pode ajudar ao invés de dificultar o seu relacionamento?” ela questiona. De acordo com a conselheira de casais, Jane Greer, PhD e autora do livro “What about me?”, de Nova York, parar com o egoísmo é o primeiro passo para impedir a ruína do relacionamento. “A droga pode destacar problemas que o casal coloca já tinha em primeiro lugar, criando todos os tipos de conflito”, disse. Assim, ela explicou que ambos devem ser “muito claros sobre o que funciona e o que não. Porque mesmo estando com alguém que você realmente ama, às vezes você só vai querer ler um livro!”.
“Após o momento de pânico do meu marido […] ele levou apenas uma semana para ser liberado do ‘castigo’. Mas o interessante é que ele me disse que jogou o Viagra fora, e ontem à noite, notei que ainda estava em sua gaveta. Eu acho que é bom ter uma apólice de seguro”, escreveu Newman.  FONTE: JORNAL CIÊNCIA

Nenhum comentário: