quarta-feira, 16 de novembro de 2016

PAI MATA FILHO E SE SUICIDA POR DISCORDAR DE APOIO A OCUPAÇÕES EM ESCOLAS

Um universitário foi morto a tiros pelo próprio pai, que se suicidou após cometer o crime na tarde desta terça-feira (15) em Goiânia, no Estado de Goiás. A vítima, identificada como Guilherme Silva Neto, de 20 anos, era estudante de matemática da Universidade Federal de Goiás (UFG).  
De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, Guilherme Silva foi proibido pelo pai, o engenheiro Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos, de participar de movimentos e manifestações sociais em ocupações escolares.
Relatos coletados pela Polícia Civil e incluídos no boletim de ocorrência, informam que o autor do delito e pai da vítima "não concordava com o comportamento do filho que se vestia de forma alternativa, com coturnos, calça jeans com as barras para dentro, jaquetas jeans, colares, cabelo e barba grandes".
O homem discordava ainda "do estilo revolucionário do qual (Guilherme) era integrante, participando de movimentos estudantis e de manifestações contrárias às medidas governamentais, como as invasões de colégios e prédios públicos".
A mãe da vítima e mulher do autor do crime, Rosália informou à polícia que pai e filho tiveram um desentendimento na manhã da terça. O homem teria saído por volta das 16 horas afirmando que iria resolver uns problemas. Logo após a partida dele, o filho saiu de casa com seus pertences e disse à mãe que iria ver o movimento, mas não demoraria. 
Ainda de acordo com a polícia, o pai teria ficado aguardando o jovem sair de casa. Assim que viu Guilherme saindo, telefonou para perguntar onde ele estava, mas foi informado por Rosália que o estudante havia saído. 
O pai perseguiu o universitário de carro e atirou contra ele na Rua 59 A, próxima ao local onde a família morava. Pai, mãe e filho moravam no cruzamento da Rua 25 A, esquina com a Avenida República do Líbano, no setor Aeroporto.
Alexandre José da Silva Neto chegou a ser socorrido ao Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo), mas não resistiu e morreu na noite desta terça. 
O corpo do jovem foi velado no Cemitério Jardins das Palmeiras, na capital goiana. A motivação do crime será apurada por Francisco Júnior, delegado do Departamento de Homicídios da Polícia Civil, e o prazo de conclusão do inquérito é de 30 dias.
Após matar o próprio filho, homem deitou-se sobre o corpo e se suicidou com tiro na cabeça. 

Nenhum comentário: