quinta-feira, 17 de novembro de 2016

MACAU: PROFESSORES MUNICIPAIS CONTINUAM COM A PARALISAÇÃO.

Ás 15h00, da tarde de ontem,16, os educadores se reuniram no teatro Porto de Ama para definirem posição em relação a atual paralisação da categoria. Após assembléia – que teve a participação do Secretário de Educação  em alguns momentos – os educadores concordaram  na continuação da paralisação da categoria.
Pauta de reivindicação da categoria
Antes a paralisação da categoria baseava-se em salário de outubro atrasado dos efetivos(que foi pago);
Hoje a paralisação se estendo Por: Pagamentos dos contratos(que deve ser pagos até 25 de outubro);
Água mineral nas escolas(que já está liberada);
Preocupação com a segurança do Transporte Escolar( 21 pneus já foram comprados e estão sendo trocados );
Merenda nas escolas( já foi negociado e será entregue nas escolas ao retorno das aulas) ;
Material de expediente e limpeza para o término do ano letivo.
Pois bem
O secretário de educação garante que  das reivindicações da categoria ” o prefeito só não cumpriu o pagamento dos contratados até o momento. Mas está procurando viabilizar até 25 do mês em curso.”  Sobre material de expediente e de limpeza ” 70% das escolas possuem recursos próprios do PDDE, as demais escolas a SME tem estoque para atender”,  garante secretário, Gilson Peixoto.
Baseado nas explicações do secretário da pasta, pergunto então ; o que os professores estão esperando para concluírem o ano letivo?  Pois a história de lutas trabalhistas no cenário brasileiro – onde as reivindicações exigidas de uma categoria – quase sempre não se atende 100% da reivindicação nesse país.
Então, pergunto novamente; Porque somente em Macau a paralisação encerra-se com  100% das reivindicações atendidas ?  Questiono esse fato porque os professores não possuem o direito de reivindicarem? Não, não é isso. Muito pelo contrario: acho justo a luta e a reivindicação da categoria!
Porém
O que me estranha nessa paralisação é ter ocorrido a conquista de grande parte das reivindicações, tendo a  categoria recebido os seus salários e a confirmação de outras reivindicações e , mesmo assim, o sentimento da categoria em persistir com a paralisação nas escolas municipais toma força quando as conquistas aconteceram.
Agora
Se o problema é político partidário entre alguns dirigentes e o gestor municipal, a paralisação deve perdurá até o início do novo governo. Pois, provavelmente,  os representantes da categoria possuirão um outro comportamento com o novo gestor em 2017, tendo como exemplo a forma que se comporta os representantes da categoria quando se trata  do ensino estadual. FONTE: CIDADE DO SAL

Nenhum comentário: