quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

SAIBA COMO IDENTIFICAR DEPRESSÃO E AJUDAR PESSOAS QUE SOFREM DA DOENÇA

Considerada o “mal do século”, a depressão atinge mais de 121 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). O Brasil é proporcionalmente o país com o maior número de casos no último ano, com o total de 10,8% da população apresentando este distúrbio. Confundido com uma tristeza normal, muitas vezes os sintomas podem ser ignorados pela família e a ausência de um diagnóstico que comprove a doença, reforça a falsa ideia de que a depressão é uma “fase”. Mas, os especialistas afirmam: Depressão é uma doença séria e o tratamento dever ser acompanhado por um médico.

Marcela Clementino, psicóloga do Hapvida, explica que a depressão causa sintomas mentais e físicos e a observação é a melhor forma de identifica-los. “Todo mundo passa por problemas na vida e tem o direito de ficar triste por isso. Porém, o depressivo tem respostas desproporcionais aos acontecimentos, seja em intensidade ou duração. Estes sintomas começam a se tornar aparentes em 2 semanas, expondo o paciente a situações distintas do seu dia a dia.  E esta intensidade deve ser suficiente para causar comprometimento da qualidade de vida”, esclarece.
A psicóloga enumera os sintomas mentais mais comuns da doença: Tristeza contínua, angústia, desesperança, sentimento de culpa, medo desmotivado, irritabilidade, mau humor e vontade repentina de chorar.
Os sintomas físicos são: Cansaço constante, alteração de sono (dormir muito ou dormir pouco), oscilação de peso (ganho ou perda de peso), dores de cabeça ou pelo corpo, disfunção sexual, desatenção e esquecimentos contínuos.
Listamos 5 dicas que auxiliam nos cuidados de uma pessoa com depressão:
1 – Compreenda a doença: Leia sobre o assunto, informe-se, converse com outras pessoas que já passaram ou estão passando por isso, assim, você poderá se tornar mais útil nos momentos de angústias e necessidades da pessoa doente.
2 – Procure ajuda especializada: Um clínico de confiança, um médico neurologista ou mesmo um psiquiatra são as melhores opções. Caso a pessoa esteja em dúvida quanto a procurar um profissional médico, você pode tomar essa iniciativa. Para a pessoa em depressão é difícil dar esse primeiro passo.
3 – Acompanhe a primeira consulta: Seu amigo ou familiar ficará mais tranquilo e confiante se estiver acompanhado. Você também terá a chance de explicar, brevemente, quais os sintomas tem observado. Mas, lembre¬-se de que o médico, provavelmente, vai querer falar com ele a sós.
4 – Apoio emocional: A depressão é uma doença que pode durar meses ou até mesmo anos. Durante esse tempo, esteja sempre presente quando a pessoa precisar, o apoio emocional é tão importante quanto o acompanhamento médico. Seja compreensivo, paciente e carinhoso. Esses fatores são importantíssimos durante o processo de recuperação.

5 – Saia de casa: Uma pessoa deprimida tem como tendência natural, desligar-se do mundo lá fora, e essa falta de contato, dificulta ainda mais a situação. Se ela não quiser sair de jeito algum, convença-a de apenas ir dar uma volta no sol, mas não force-a a fazer algo que não quer. Comece devagar, tornando as saídas um hábito. FONTE: AGORA RN

Nenhum comentário: