quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

GOVERNADORES NORDESTINOS ASSINAM CARTA DE APOIO À DILMA

Os governadores do Nordeste lançaram hoje (03) nota oficial contra a tese de impeachment lançada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O texto é subscrito pelos nove governadores da região. O manifesto chama de o pedido de impeachment de "absurda tentativa de jogar a Nação em tumultos derivados de um indesejado retrocesso institucional".
A nota também assevera que o pedido comprovar alguma irregularidade, algo que, segundo os governadores nordestinos, ainda não foi comprovado. "Na verdade, a decisão de abrir o tal processo de impeachment decorreu de propósitos puramente pessoais, em claro e evidente desvio de finalidade", argumentam.
Os governadores dizem ainda estar "mobilizados para que a serenidade e o bom senso prevaleçam". Assinam o documento Robinson Farias (PSD–RN), Flavio Dino (PCdoB–MA), Ricardo Coutinho (PSB–PB), Camilo Santana (PT–CE), Rui Costa (PT–BA), Paulo Câmara (PSB–PE), Wellington Dias (PT–PI), Jackson Barreto (PMDB–SE) e Renan Filho (PMDB–AL).
Leia a íntegra:

"Diante da decisão do Presidente da Câmara dos Deputados de abrir processo de impeachment contra a Exma Presidenta da República, Dilma Roussef, os Governadores do Nordeste manifestam seu repúdio a essa absurda tentativa de jogar a Nação em tumultos derivados de um indesejado retrocesso institucional. Gerações lutaram para que tivéssemos plena democracia política, com eleições livres e periódicas, que devem ser respeitadas. O processo de impeachment, por sua excepcionalidade, depende da caracterização de crime de responsabilidade tipificado na Constituição, praticado dolosamente pelo Presidente da República. Isso inexiste no atual momento brasileiro. Na verdade, a decisão de abrir o tal processo de impeachment decorreu de propósitos puramente pessoais, em claro e evidente desvio de finalidade. Diante desse panorama, os Governadores do Nordeste anunciam sua posição contrária ao impeachment nos termos apresentados, e estarão mobilizados para que a serenidade e o bom senso prevaleçam. Em vez de golpismos, o Brasil precisa de união, diálogo e de decisões capazes de retomar o crescimento econômico, com distribuição de renda." FONTE: NOVO JORNAL

Nenhum comentário: