sábado, 12 de setembro de 2015

DILMA ADMITE DIFICULDADES EM SOLENIDADE NO PIAUÍ

São Paulo (AE) - A presidente Dilma Rousseff voltou a reconhecer que o Brasil passa por dificuldades, mas que o País é capaz de superá-las. Em discurso durante a edição da plataforma "Dialoga Brasil", ontem em Teresina, capital do Piauí, a presidente também destacou mudanças implementadas por governos do PT na região Nordeste, nos últimos 13 anos.  "É claro que o País passa hoje por dificuldade, mas são dificuldades que superamos, porque nós somos capazes de superar", afirmou a presidente. Dilma disse que a superação da crise é possível porque o Brasil é a sétima maior economia do mundo, tendo agricultura e indústria fortes.
Ao mencionar as mudanças no Nordeste, a presidente citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é pernambucano. De acordo com ela, seu antecessor "reconheceu que o Nordeste precisava de oportunidades iguais" e tomou um conjunto de medidas, entre elas o início da construção da Transnordestina, cujas obras ela visitou ontem no município de Paulistana.
Dilma destacou que, dos 1,6 mil quilômetros da ferrovia, 500 quilômetros já estão prontos. Segundo ela, a "promessa" é de que o trecho que passa pelo Piauí seja concluído até o final de 2016 e que o restante da obra deve ficar pronto até o fim do mandato dela, em 2018. A presidente fez também um apelo para que a sociedade brasileira repudie "aqueles que sempre querem a catástrofe". "O Brasil é um país democrático e não aceitamos intolerância", disse Dilma, defendendo em seguida que os resultados das eleições sejam respeitados.

Para a plateia, a presidente afirmou também que o governo gosta "de discutir, de escutar críticas". "Sabemos que devemos melhorar, há muitas oportunidades para construir, a gente precisa persistir", reconheceu.
Além disso, Dilma não deixou de exaltar os programas sociais do governo, como tem feito em todas as edições do evento. Dessa vez, o destaque ficou por conta do Bolsa Família. "O Bolsa Família não foi feito para criar conformismo, para que as pessoas se acomodem", disse a presidente, citando o exemplo de um garoto que recebe o benefício e foi premiado em uma olimpíada internacional de estudantes.

Dilma disse ainda que programas pilotos não dão certo no Brasil, porque o "Brasil não é um país pequeno". "Todos os programas sociais têm de ter um certo corpo, devem ser encorpados. Um programa piloto não resolve nada no Brasil", afirmou a presidente.
Ministra destaca políticas de combate à seca no NE
Teresina  - Ao participar da sexta edição do Dialoga Brasil, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, lembrou que o Brasil hoje é um outro País porque o governo construiu políticas públicas que permitem que a população consiga conviver com a seca. Para a ministra, políticas como o Bolsa Família, o programa de cisternas e o Seguro Safra têm permitido que o povo nordestino resista e não abandone suas terras em direção às grandes cidades do País – como fazia no passado – apesar da forte seca que atinge o Nordeste nos últimos anos.
“Muita gente dizia que a pobreza do Nordeste tinha a ver com a seca. Hoje nós estamos vivendo uma seca muito intensa aqui no estado (Piauí), que atinge uma parte grande da área rural e nós não temos aquelas cenas de antes: os retirantes, o povo em saques, desesperado, abandonando sua terra. Hoje o Brasil é outro apesar da seca”, disse ela, acrescentando: “nós estamos conseguindo, não combater a seca – que é um fenômeno da natureza – mas construir políticas públicas que garantam que a gente conviva com o Semiárido e garanta que a população do meio rural fique na sua terra e que as populações nas cidades tenha sua pobreza aliviada.”

Nesse sentido, citou números como o das 17 milhões de crianças de 6 a 17 anos, beneficiadas pelo Bolsa Família e que hoje não estão no trabalho infantil para estar na escola – 500 mil delas só no Piauí – recebendo, inclusive, assistência médica. Segundo a ministra, foi o acompanhamento frequente do peso dessas crianças que fez com que o Brasil reduzisse em até 60% a mortalidade infantil por desnutrição e alcançasse a redução de 51% do déficit de altura da população brasileira. Na ocasião, a ministra lembrou o preconceito sofrido historicamente pelo povo nordestino, acusado de “crescer pouco” em virtude da falta de alimentação.
A ministra enfatizou também outra ação  que considera fundamental para a convivência  com o Semiárido: a entrega, desde 2003, de 1,2 milhão de cisternas no sertão do Nordeste.
FONTE: TRIBUNA DO NORTE

Nenhum comentário: