segunda-feira, 27 de abril de 2015

REAJUSTE NA CONTA DE ENERGIA ESTIMULA ADOÇÃO DE MEDIDAS PARA CONTER GASTOS

A partir desta semana a conta de energia estará ainda mais cara. O reajuste na conta de luz dos potiguares, autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já está valendo. Para não levar um susto quando a próxima conta de energia chegar é preciso adotar no dia-a-dia a palavra "economizar".
Economista e professor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), Leonildo Tchapas diz que a melhor maneira de conter as despesas com eletricidade é readequar os costumes e estilo de vida. "É preciso diminuir o uso de condicionadores de ar e centrais, passar roupa apenas uma vez na semana e substituir eletrodomésticos antigos por aparelhos novos, que consumam menos energia", concluiu.


Também é importante optar por usar lâmpadas fluorescentes, que pode gerar uma economia significativa. Além disso, deve-se manter os aparelhos elétricos desligados e fora da tomada enquanto não são usados.
A secretária administrativa Janaíne Milene comenta que o primeiro acréscimo na conta de luz já havia deixado toda sua família em alerta, e que o segundo reajuste do ano certamente fará com que medidas sejam tomadas para conter os gastos relacionados ao uso da energia elétrica. Ela afirma que mesmo com a diminuição do consumo em casa, a energia tem vindo gradativamente mais cara.
"Após o aumento, minha conta de energia começou a vir cerca de R$ 10,00 mais cara, e assim também foi na casa da minha mãe. Vejo que esta é uma diferença significativa, pois foi registrada mesmo com todo nosso esforço para conter gastos. Hoje todas as luzes da casa passam a maior parte do tempo apagadas, os equipamentos são retirados da tomada e evitamos excessos", explicou.
Aumento da conta de energia afetará mais de 1,3 milhão de potiguares
De acordo com a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), 1,3 milhão de potiguares sentirão o aumento, que só deve ser percebido na fatura do mês de maio. Este é o segundo aumento de energia registrado este ano.
O professor Leonildo Tchapas explica que o grande problema do aumento da energia se dá porque seu reajuste atinge vários setores, e interfere diretamente na geração de empregos e aquecimento da economia.
"Os gastos em energia ocasionam uma freada na economia, uma vez que as empresas são diretamente impactadas, precisam diminuir sua produção e consequentemente cortam funcionários. As pessoas controlam seus gastos, em especial no que tange à equipamentos tecnológicos e eletrodomésticos, que geram muito consumo de energia", afirmou.
Tchapas comentou que a grande responsável pelo aumento do preço da energia do país foi a política econômica do Governo Federal, que ao invés de impor pequenos aumentos nos últimos anos vem concedendo pesados reajustes de uma vez só. Ele lembrou que já era de conhecimento público que as reservas hidroelétricas do Brasil estavam baixas, e que seria necessário pressionar o consumidor a diminuir seus gastos com eletricidade.
Dicas para diminuir o consumo de energia em casa
Opte sempre por lâmpadas fluorescentes
Sempre que possível, opte por eletrodomésticos que levam o selo Procel, que indica os equipamentos com menor consumo energético
Mantenha a geladeira em local ventilado para facilitar a troca de calor pelos radiadores
Desligue a iluminação de ambientes desocupados
Abrir janelas, quebrar paredes e reaproximar os locais de trabalho da luz natural são atitudes que fazem com que se torne cada vez menos necessário usar a iluminação artificial
Mantenha as fiações elétricas em bom estado.  FONTE: O MOSSOROENSE

Nenhum comentário: